Indução de trabalho de parto

Trabalho de parto. Está aí um tema que ninguém entende direito até chegar o momento, mas porque não entender antes para não rolar um stress desnecessário e ter mais segurança na hora do parto heim heim heim?? Eu passei por um processo de indução com comprimidos intra vaginais que numa duração de 6 horas, mas não tive evolução e segundo o exame da cardiotocografia era recomendável realizar a cesária. A querida Dra. Maria Clara (médica que fez o parto do Théo) explica tudo nos mínimos detalhes e em palavras leigas. Vamos lá? (volte alguns posts da Coluna de Obstetrícia e veja outros textos)

trabalho de parto

Hoje vamos falar de mais um tema que gera muita dúvida e ansiedade: Indução de Trabalho de Parto. Quanto indicamos uma Indução à paciente, toda família tem que entender que podem levar horas ou até dias para paciente iniciar o Trabalho de Parto. Um jeito bem simples de explicar a diferença seria assim:

1-TRABALHO DE PARTO a paciente chega ao Hospital e ela já está com contrações regulares, causando esvaecimento do colo e dilatação. Muitas pacientes durante o trabalho de parto ficam ansiosas querendo saber  quantos dedos de dilatação” já estão. Mas a avaliação médica não é apenas a dilatação. Levamos em conta também o esvaecimento: colo começa grosso e depois vai afinando. Outro parâmetro que também avaliamos é se o bebê está descendo. Em uma paciente que é a primeira gestação, primeiro esvaece para depois dilatar. Já em uma paciente que já teve partos anteriores ocorre esvaecimento e dilatação praticamente juntos. Por esse motivo um trabalho de parto de uma paciente cuja seja primeira gestação pode demorar um pouco mais. Porém o mais importante é que no TRABALHO DE PARTO já tem contrações e alteração de colo.

2- INDUÇÃO DE TRABALHO DE PARTO a paciente por algum motivo(abaixo), tenha que dar à luz mesmo que ainda não tenha contrações e alteração de colo. Então, seria uma paciente que chega ao Hospital e vai ser internada para que o médico realize de forma artificial um estímulo para o útero iniciar as contrações e aí então desencadear o trabalho parto. Essa conduta de ” acordar o útero” pode demorar. Tem pacientes que em 12h de indução já iniciam as contrações. Outras pacientes podem demorar 48h para que as contrações se iniciem.
Então, os familiares não podem ficar ansiosos achando que está demorando demais para nascer, por que eles transmitem essa ansiedade para paciente. Temos que ter em mente que não é um ” parto” demorado. Já que ela ainda não está em trabalho de parto é apenas a indução para “acordar” o útero.

Durante todo esse processo da indução do trabalho de parto mãe e bebês são monitorizados. Se, por exemplo, o exame da cardiotocografia não ficar satisfatório a indução é interrompida e o parto cesárea é indicado.

A indução pode ser feita de forma mecânica. Durante a consulta de pré natal o médico realiza o toque vaginal e avalia que a paciente já tem dilatação e descola a “bolsa” com o dedo.
E temos a indução realizada no hospital com medicamentos pode ser com comprimidos de Misoprostol ou fita de Dinoprostona colocados dentro da vagina . Ou endovenoso (na veia) com Ocitocina. O médico avalia com que medicamento será realizada a indução.

Indicações de indução do TP

Gestação com 41 semanas ou mais
Ruptura prematura de membranas
Corioamnionite
Hipertensão arterial sistêmica (HAS) e/ou pré-eclâmpsia
Diabete melito/gestacional
Crescimento intrauterino restrito (CIUR)/oligoidrâmnio
Morte fetal
Isoimunização Rh
Anomalias fetais incompatíveis com a vida

Contraindicações à indução do TP

Situação transversa
Apresentação cefálica defletida
Desproporção cefalopélvica
Placenta prévia oclusiva total
Vasa prévia
Gestação múltipla
Grande multiparidade
Herpes genital ativo
Cesariana corporal, miomectomia ou metroplastia prévia
Carcinoma cervical invasivo

Fontes:1- Manual Febrasgo
2- Rotinas em obstetrícia [recurso eletrônico] / Fernando Freitas … [et al.] – 6. ed. – Dados eletrônicos. – Porto Alegre : Artmed, 2011.
3- Leveno, Kenneth J. Manual de obstetrícia de Williams [recurso eletrônico]:
complicações na gestação / Kenneth J. Leveno … [et al.] ; tradução: André Garcia Islabão. – 22. ed. – Dados eletrônicos. – Porto Alegre : Artmed, 2010.

maria clara

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Comment *